PRA SAIR DO SOFAZÃO! | Dia do Choro e 120 anos de Pixinguinha têm comemorações gratuitas

Cultura
Tipografia

Dada a importância do mestre Pixinguinha para a cultura brasileira, seu aniversário, dia 23 de abril, foi escolhido como o Dia do Choro, estilo consagrado pelo músico.

São Paulo, terra de pluralidades, não poderia deixar passar a chance de celebrar a data com programação que vai de conversas a shows - tudo com entrada gratuita - em espaços culturais como o Itaú Cultural e o Museu da Casa Brasileira e até na própria Avenida Paulista. Prepare-se para um feriado de muita música! 

Confira a programação que celebra 120 anos de Pixinguinha e o Dia do Choro: 

Itaú Cultural
Avenida Paulista, 149
Entrada gratuita - retirada de ingressos na bilheteria 

20 de abril, às 20h | Conversa com Tárik de Souza

O jornalista Tárik faz um roteiro permeado por fotos e trechos de canções do flautista, saxofonista, compositor, arranjador e chefe de orquestra, que se tornou um dos maiores expoentes da música brasileira na primeira metade do século passado. Ao som de canções como "Carinhoso" (Pixinguinha/João de Barro), "1x0" (Pixinguinha/Nelson Ângelo) e "Rosa" (Pixinguinha/Otávio Moraes), o jornalista destaca pontos como a genialidade musical do homenageado e seu trânsito entre os intelectuais da época. 

21 de abril, às 20h | Show Chorando em Ré Menor & Saxofonando

Formações independentes, compostas por jovens músicos formados pela Escola do Auditório Ibirapuera juntamente com outros instrumentistas, as duas fazem uma apresentação instrumental, com obras de Pixinguinha e de outros artistas, que, como eles, dialogam com o trabalho do compositor. 

22 de abril (sábado), às 20h / 23 de abril (domingo), às 19h | Shows Galo Preto

Referência no cenário da moderna música instrumental brasileira, o Galo Preto foi criado em 1975, com um trabalho instrumental inovador. O grupo já tocou com Cartola, Elza Soares, Elton Medeiros, Nelson Cavaquinho e Paulinho da Viola, entre outros. No Itaú Cultural a bana apresenta composições próprias, passeiam pelo repertório de compositores consagrados como Paulinho da Viola, Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, em Pranto de Poeta, e Tom Jobim, com Falando de Amor, e fazem sua reverência ao homenageado em composições como Ainda Me Recordo (Pixinguinha / Benedito Lacerda) e na clássica Carinhoso (Pixinguinha/João de Barro).