CPI | Vereadores de Marília aprovam criação de CPI para investigar rombo no Iprem

Nos Estados

G1 - Instituto de previdência do município tem déficit estimado de R$ 120 milhões, não recebe repasses da prefeitura e vem atrasando o pagamento dos benefícios dos aposentados da cidade.

Os 13 vereadores da Câmara Municipal de Marília (SP) aprovaram por unanimidade, na noite desta segunda-feira (18), a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar um rombo financeiro no Iprem (Instituto de Previdência de Marília). 

O requerimento foi proposto pelo vereador José Luiz Queiroz (PSDB), segundo ele, porque a situação dos aposentados e pensionistas da cidade, que vivem constantes atrasos em seus pagamentos, começou a chamar a atenção de todos. 

Segundo informações do próprio Iprem, os atrasos acontecem porque os cofres do instituto estão zerados e com um déficit estimado em mais de R$ 120 milhões. 

Além disso, desde 2014 a prefeitura não estaria fazendo os repasses das contribuições descontadas dos servidores da ativa. Sem dinheiro, o instituto vem atrasando todo mês os salários dos cerca de 1,9 mil aposentados e pensionistas da prefeitura. 

Como o Iprem não pode pagar a folha mensal dos inativos, de cerca de R$ 7 milhões, esse pagamento vem sendo feito pela própria prefeitura. 

Porém, como não há previsão orçamentária para esse tipo de gasto, os valores são pagos de acordo com a entrada de recursos de tributos, o que provoca os constantes atrasos. 

A CPI pretende investigar as causas desse rombo e os motivos pelos quais a prefeitura teria interrompido os repasses. Para isso, segundo os vereadores, a ideia é rastrear a contabilidade do Iprem desde 1991. 

Após a aprovação do requerimento da CPI, o presidente da Câmara, Wilson Damasceno (PSDB), tem cinco dias para nomear três vereadores que vão comandar a comissão. A partir disso, a Câmara tem um prazo de 90 dias para apresentação do relatório final, que pode ser prorrogado por mais 90 dias.