POSIÇÃO | Para colocar o País nos eixos!

Opinião
Tipografia

João Carlos Gonçalves, (Juruna) - No dia 28 de abril a Força Sindical e as demais Centrais promoverão o “Dia Nacional de Paralisações, Atos e Greves”. Os atos representarão o protesto dos trabalhadores, por todo o País, contra as propostas de reformas da Previdência e a Trabalhista, e a Terceirização, formalizadas pelo governo, que penalizam a classe trabalhadora com a retirada de direitos.

Entre os pontos negativos das propostas do governo, destacamos o aumento da idade mínima para homens e mulheres se aposentarem; tempo maior de contribuição para a concessão da aposentadoria – 49 anos de contribuição e 65 de idade para ter direito ao benefício integral; fim das aposentadorias especiais; fim do acúmulo de benefícios; ameaças às férias, à jornada de trabalho e à PLR; e uma terceirização que precariza o trabalho. 

Não podemos ficar apenas aguardando as coisas melhorarem enquanto os trabalhadores são escandalosamente ameaçados com a supressão de suas maiores garantias trabalhistas, previdenciárias, sociais, seus salários, saúde e segurança, e seus próprios empregos. 

Estamos convocando todos os trabalhadores a engrossarem nossas fileiras no dia 28 em suas cidades e seus Estados para mostrarmos ao governo que não aceitamos regredir em nossas conquistas. Trabalhamos duro almejando dias melhores e não será uma “canetada” que vai fazer ruir nossos ideais de uma vida melhor e uma aposentadoria digna. 

Nossa união e mobilização, e o brado da nossa voz em um NÃO gigantesco às propostas do governo, são o que temos para demovê-lo de seu intuito de jogar nas nossas costas todo o ônus de anos seguidos de equívocos na condução da nossa economia, de juros altos, queda de investimentos, produção e consumo reduzidos, desemprego e insegurança. 

No dia 28, precisamos que todos participem ativamente dos atos das Centrais e de suas entidades filiadas por todo o País. São os nossos direitos que estão em jogo, e não podemos ficar “assistindo de camarote” o final da história, pois, como diria Geraldo Vandré, “... Quem sabe faz a hora, não espera acontecer!”. E a hora é esta!

 João Carlos Gonçalves, Juruna, é Secretário-geral da Força Sindical e vice-presidente dos Metalúrgicos de São Paulo