POSIÇÃO | E o desemprego segue assustador!

Opinião
Tipografia

Por Paulo Pereira da Silva - É bastante comum ao abrirmos um jornal, uma revista, ou assistirmos a algum programa cujo tema seja a economia nacional, nos depararmos com notícias a respeito da manutenção ou de uma pequena melhora no nível dos empregos formais e do reaquecimento econômico. Agora, se perguntarmos a uma família atingida pelo desemprego, que sente na pele os terríveis efeitos trazidos por tal situação, será difícil fazê-la acreditar no que querem nos fazer crer os mais otimistas.

O desemprego no País alcançou a casa das mais de 14 milhões de pessoas, um número elevadíssimo, maior do que a população da cidade de São Paulo. E o pior é que nada, ou quase nada, vem sendo feito para que este quadro seja revertido. 

Em vez de se preocupar com as reformas trabalhista e previdenciária, e de escalar o povo brasileiro para pagar a conta, governo tem de agir, e rápido, para que o País não afunde de vez nesta crise que tanto vem penalizando a classe trabalhadora. E uma das principais medidas que tem de ser levada adiante pelo governo é rever urgentemente sua política econômica equivocada, de juros nas alturas e crédito caro, e passe a priorizar o setor produtivo nacional, a produção, o consumo e a geração de empregos. 

Centrar fogo na luta contra o desemprego, e contra as reformas que retiram direitos, são hoje as nossas principais bandeiras a ser defendidas. 

Paulo Pereira da Silva, Paulinho da Força, é presidente da Força Sindical