POSIÇÃO | Os juros altos e a crise!

Opinião

Por Paulo Pereira da Silva - O Brasil atravessa um momento ímpar em sua curta vida. Afinal, são apenas 517 anos pós-descobrimento. Mas nada justifica a atual situação que vivenciamos, de crise econômica, política, institucional e social, que tanto penaliza principalmente aqueles que são maioria absoluta da população: os trabalhadores, justamente a parcela que mais fez, e ainda faz, pelo desenvolvimento da Nação.

E um dos maiores culpados pela atual situação, de incertezas e desemprego, são, sem dúvida, os juros, que o governo insiste em manter nas alturas contrariando, assim, os anseios de todo um povo que, injustamente, não tem o respaldo da parte daqueles por nós escolhidos para nos representar. 

Os juros nas alturas são um dos grandes responsáveis pelo caos econômico que hoje vivenciamos – e que julgávamos ter superado no pós-2008, início da crise econômica mundial. Tudo em consequência dos frequentes desacertos cometidos pelo governo à frente, ao longo de anos, da condução política da economia nacional. 

Temos, hoje, mais de 14 milhões de desempregados no País. Um contingente apavorador de pais e mães de família que perderam a fonte do sustento de suas famílias. O crédito continua caro e proibitivo. E o governo segue tentando atirar todo o ônus de seus próprios erros nas costas dos trabalhadores, os menos culpados por tudo o que aí está. 

Nos próximos dias 25 e 26 o Copom estará novamente reunido para definir como vai ficar a taxa de juros para os próximos 40 dias. Esperamos que, desta vez, o Copom abandone o seu conservadorismo crônico e a reduza de forma contundente os malefícios que os juros altos representam para a retomada do crescimento econômico do País. 

A Força Sindical, como sempre o fez, estará vigilante nas ruas pressionando o Copom para que, enfim, o conjunto dos trabalhadores seja ouvido. Juros menores geram postos de trabalho, atraem investimentos e alimentam a esperança do povo. Mantê-los nas alturas é desfilar pela contramão da história, dar asas ao azar e punir quem verdadeiramente faz a história: os trabalhadores brasileiros! 

Paulo Pereira da Silva, Paulinho, é Presidente da Força Sindical e deputado federal