POSIÇÃO | Menos juros, mais empregos!

Opinião
Tipografia

Por Paulo Pereira da Silva - As últimas reduções da taxa básica de juros (Selic) promovidas pelo Copom (Comitê de Política Monetária), após uma sequência interminável de aumentos e, depois, de manutenções da mesma em patamares de 14,15% ao ano, já conseguiram fazer com que a economia reagisse e, apesar de lentamente, os empregos começassem a ressurgir.

E esta recuperação econômica, e o consequente reaquecimento do mercado de trabalho, apesar de ainda frágeis e insuficientes para atender toda a demanda, serviu, realmente, para o impulso que o País necessitava, aquele primeiro passo para a nossa verdadeira retomada econômica do País. 

Juros menores vão fazer com que os investimentos no setor produtivo ressurjam, a produção seja impulsionada a um patamar mais elevado, mais postos de trabalho formal sejam criados – diminuindo a informalidade – e o Brasil volte a caminhar, a passos largos, rumo ao seu desenvolvimento pleno. 

A redução dos juros ajudará, inclusive, para que as campanhas salariais das categorias com data-base no 2º semestre sejam intensificadas, porque os trabalhadores têm acompanhado os noticiários que dão conta de que uma melhoria no cenário econômico nacional está em curso, e que eles não podem continuar arcando com todo o ônus de uma crise que não foi por eles provocada.   

O Copom voltará se reunir amanhã, dia 5, e no dia seguinte, quando deverá anunciar a sua decisão sobre a nova Selic. A Força Sindical e suas entidades filiadas lá estarão para protestar contra os juros altos e pressionar para que uma redução contundente seja levada adiante, para o bem dos trabalhadores brasileiros e do próprio País. 

Tomara que, desta vez, os tecnocratas do governo deixem de lado o seu excesso de conservadorismo e voltem seus olhos para aqueles que tanto fizeram, e continuam fazendo, para o engrandecimento da Nação e para que o povo brasileiro retome sua vida com trabalho, respeito, dignidade e a justiça social de que são merecedores. 

Juros menores são um dos ingredientes básicos para a construção do País pelo qual lutamos. 

Paulo Pereira da Silva, Paulinho, é presidente da Central Força Sindical.